Prefeitura de Bela Vista publica demissão do chefe da Divisão de Cultura

Foto: Junior Bavia/Núcleo de Comunicação

O prefeito de Bela Vista do Paraíso, Edson Vieira Brene (PR), assinou decreto que exonera o chefe da Divisão de Cultura, Marcelo Eduardo Henrique. A demissão foi publicada no Diário Oficial de sexta-feira (1º), com efetividade imediata.

RECEBA AS NOTÍCIAS PELO WHATSAPP
envie #Telégrafo para 98851-7034

O Telégrafo adiou a publicação da matéria para que a prefeitura e o servidor pudessem ser ouvidos. Nesta sexta-feira (8), Marcelo Henrique informou que só pretende se pronunciar após assinar sua exoneração. Já o prefeito informou, através do Departamento de Administração, que esta foi uma substituição normal e que a prefeitura espera encontrar um profissional tão ou ainda mais competente do que ele, que possa fazer um bom trabalho na área da cultura.

Apesar do posicionamento formal do executivo, é público que o trabalho de Marcelo Henrique já vinha sendo criticado há algum tempo. Em diversas sessões abertas da Câmara Municipal, vereadores fizeram duras críticas ao servidor e chegaram a pedir a sua demissão ao prefeito.

A prefeitura também informou que não definiu um nome para chefiar a Divisão de Cultura. O salário bruto atual para o cargo, de símbolo CC-03, é de R$ 2.672,48 para 40 horas semanais, de acordo com o Portal da Transparência.

Histórico

Marcelo Henrique nasceu em novembro de 1973, em Bela Vista do Paraíso. Foi eleito vereador pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT) para a legislatura 2013-2016. Com 297 votos, ele conseguiu a vaga a qual o seu partido tinha direito porque o outro candidato do PDT, Reinaldo Stefane, obteve 361 votos. Nas eleições de 2014, Marcelo concorreu a Deputado Estadual também pelo PDT, obtendo 837 votos.

No biênio 2015-2016, foi eleito presidente da Câmara Municipal. À época, o vereador fazia parte da base do então prefeito João de Sena Teodoro Silva, o João Monza. Nas eleições de 2016, concorreu novamente ao cargo de vereador, dessa vez pelo Partido Trabalhista Nacional (PTN) e no grupo político do então candidato Edson Vieira Brene. Marcelo obteve 85 votos.

Com a eleição de Brene, foi nomeado para o cargo comissionado de chefe da Divisão de Cultura. O decreto de nomeação foi publicado em 1º de fevereiro de 2017.


*Matéria atualizada às 12h53. A versão anterior informava que Reinaldo Stefane havia concorrido pelo PSB, mas na verdade o partido apenas fazia parte da coligação. Em 2014, Marcelinho concorreu pelo PDT, não pelo PR.


”Facebook”/