Vereadores mirins apresentam propostas para a Câmara Municipal

© Filipe Muniz/Telégrafo

A Câmara Municipal sediou uma sessão diferente na tarde da última quinta-feira (4). Oito nobres edis, estudantes do ensino médio de colégios públicos e particulares de Bela Vista do Paraíso, fizeram propostas de indicações que serão encaminhadas para os vereadores. É o projeto Câmara Mirim, que busca estimular a participação dos jovens na vida pública, por meio do exercício da cidadania.

Fazem parte do projeto os alunos Alice Morais Santos, Daniel de Almeida, Guilherme de Oliveira Oti, Heloísa de Oliveira Balconi, João Gabriel dos Reis, Luiz Fernando dos Santos Botelho, João Victor de Moraes Katayama e Pedro Lucas Carvalho Brasil.

Indicações

Os vereadores mirins apresentaram nessa seção indicações que podem ser “apadrinhadas” pelos vereadores e enviadas ao executivo. Fernando Botelho propôs que fossem feitos campeonatos esportivos para crianças e jovens. Pedro Brasil indicou que fosse feita uma lombada na rua Sagrado Coração. Alice Santos sugeriu que fossem feitas palestras nas escolas sobre educação no trânsito. João Victor Katayama propôs incentivo para que as empresas promovam a acessibilidade para cadeirantes. Ele contou que conversou com uma cadeirante, que relatou ter dificuldade até mesmo para ir em locais próximos de sua casa.

A indicação de Heloísa Balconi foi de uma Parceria Público Privada para a instalação de lixeiras próximas às lojas. Luiz Guilherme Oti sugeriu a atuação de escolas e igrejas, em uma espécie de adoção, para revitalizar o Bosque Municipal. Daniel de Almeida propôs a instalação de bancos e mesas na praça do Jardim Europa, que foi asfaltado recentemente. João Gabriel Reis solicitou uma placa para a Biblioteca Municipal Cecília Meirelles.

© Filipe Muniz/Telégrafo

O projeto

A Câmara Mirim foi implementada pela primeira vez em 2007 e era voltada aos alunos do 7° e 8° ano do ensino fundamental. Neste ano, o projeto foi revivido pelo professor Robson Gomes e o presidente da Câmara Municipal, Rondinele Meira (Pros) através de uma nova resolução do legislativo, dessa vez, para alunos do 1° e 2° ano do ensino médio. Os estudantes foram indicados pelos colégios para participarem do projeto.

O assessor jurídico da Câmara, Ricardo Bandolin Filho, explicou o funcionamento e atribuições dos três poderes. © Filipe Muniz/Telégrafo

Os vereadores mirins se encontram mensalmente. Antes de começarem as apresentações de propostas, eles receberam formação sobre política, ética, cidadania, administração pública, leis (municipais, estaduais e federais), assim como, encaminhamentos legais e os trâmites do legislativo. Nesta quinta-feira, por exemplo, o assessor jurídico da Câmara, Ricardo Bandolin Filho, deu uma palestra aos estudantes sobre o funcionamento e atribuições dos poderes executivo, legislativo e judiciário no âmbito municipal, estadual e federal.

Há alguns meses, os estudantes que participam do projeto visitaram a Câmara Municipal de Londrina, que realiza projeto semelhante. “O formato de organização da Câmara de Londrina é interessante porque eles tiveram uma semana de formação contínua. Foram 15 horas de capacitação para dar uma formação, na parte cidadão, política e histórica, da mesma forma que foi instituído aqui. Mas enquanto lá eles tiveram essa formação por uma semana, aqui nós tivemos uma hora a cada mês”, relatou Robson Gomes.

“Ver o que eles fazem lá ajudou a gente a entender como funciona. Foi bem legal”, disse a primeira secretária da Câmara Mirim, Heloísa de Oliveira Balconi.

O projeto é realizado pelo professor Robson Gomes em parceria com a Câmara Municipal. © Filipe Muniz/Telégrafo

Importância

Para o professor Robson Gomes, o projeto é especialmente importante em um cenário como o atual, de notícias falsas e ódio à política. “Como professor de história eu percebo que o debate gira apenas em torno do executivo, sem perceber que o executivo se torna refém dos interesses do legislativo. [Eu percebo] a real importância que a população deveria dar aos cargos do legislativo”, disse Robson. Ele avaliou que as pessoas não estão buscando, atualmente, um projeto de país, mas sim agindo por aversão, por ódio e manipulação midiática. “Então foi isso que motivou a trazer para os jovens a importância desse setor, que é quem faz as leis”, concluiu.

“A meu ver, a possibilidade de estar conhecendo como funciona a estrutura política é extremamente importante. É algo que eu estive pensando dias atrás, que é como vai se estruturar a política do futuro se nós não dermos as condições necessárias para os jovens, que serão os políticos do futuro”, disse João Gabriel dos Reis, eleito presidente da Câmara Mirin.


”Facebook”/